Labirintite: o que é e quais seus sintomas

Labirintite: o que é e quais seus sintomas

labirintite

Labirintite: Mas, afinal de contas, o que é labirintite? É uma doença como a gripe, que você pega e sara em alguns dias, ou uma doença como a enxaqueca, que pode dar crises eventualmente? Tem caráter familiar? Genético? Infeccioso? Vamos tentar explicar.
É muito comum o paciente chegar em um pronto socorro com quadro de tonturas e ser diagnosticado como tendo labirintite.
Inicialmente é importante dizer que o nome labirintite é um nome impreciso, pelo menos quando usado de forma genérica. O mais correto seria dizer labirintopatia, para dar a correta noção de que não é tudo uma doença só, mas um conjunto de doenças que causam tonturas. Aliás, doenças que podem ser muito diferentes entre si.
Existe um tipo de labirintopatia chamado de cinetose. A cinetose é o que poderíamos chamar de labirinto sensível, uma predisposição pessoal a ter enjôo e tonturas provocados pelo movimento acelerado ou constante. Pessoas com cinetose têm dificuldade de andar de barco e de fazer viagens longas de carro ou de ônibus. Algumas situações como infecções virais, traumas e alterações hormonais também podem deixar o paciente com cinetose.
Outro tipo comum de labirintopatia é a chamada Vertigem Posicional Paroxístiva Benigna, ou VPPB. Neste caso o paciente refere crises de dias a semanas com vertigens de rápida duração ao virar a cabeça rapidamente para algum dos lados ou para cima. Chamamos vertigem aquela sensação rotatória, diferente da tontura que é mais uma sensação de instabilidade. É comum o paciente com VPPB ter a vertigem ao virar-se na cama, ao virar-se bruscamente ou ao estender roupa no varal, por exemplo. As vertigens têm duração de alguns segundos a minutos e, depois, entre uma vertigem e outra, o paciente pode ficar com uma sensação de tontura leve ou sem sentir nada.
Como o “benigna” do próprio nome sugere, a VPPB é uma doença auto-limitada, ou seja, na maioria das vezes melhora sozinha depois de um período. O problema é que ela pode ser recidivante, com crises voltando a acontecer em períodos bastante variados de pessoa a pessoa.
A Neurite Vestibular é outro tipo de labirintopatia que se caracteriza por vertigens fortes e constantes de aparecimento súbito, geralmente junto a náuseas e vômitos, que duram geralmente alguns poucos dias e depois melhoram progressivamente até sumirem não voltarem mais. É comum a ocorrência junto ou logo após uma infecção viral respiratória. Essa doença era chamada pelos médicos até pouco tempo de “labirintite aguda”, mas atualmente evitamos usar esse nome devido a tendência que se seguiu de chamar todas as doenças que causam tontura de “labirintite”.
A labirintopatia por alteração metabólica é uma das mais comuns no Brasil e no mundo. Ela ocorre em consequência de alguma alteração metabólica do organismo, como alteração do metabolismo do açúcar, pré- diabetes ou diabetes, doenças da tireoide, dislipidemia ou alterações hormonais.
Existe uma labirintopatia que normalmente curso em crises de vertigens associadas com sensação de ouvidos tapados e zumbidos. Com o passar do tempo, após diversas crises, o paciente pode ir progressivamente perdendo parte da audição. Essa doença se chama “Doença de Ménière”, em homenagem ao médico que a descreveu pela primeira vez. A Doença de Ménière tem um quadro clínico muito variável e é difícil fazer o diagnóstico com certeza.
Problemas no pescoço também podem causar tonturas e vertigens. Existem algumas teorias diferentes para explicar o por quê isso acontece e, na maioria das vezes, elas consideram haver um problema no fluxo sanguíneo que passa pelas artérias que sobem por trás do pescoço e irrigam os labirintos. Contraturas musculares, problemas ósteo-cartilaginosos ou hemodinâmicos são as principais causadoras desse tipo de problema.
A enxaqueca também é uma causa comum de vertigens. Aliás, existe um subtipo de enxaqueca na qual o paciente tem mais vertigens do que dor de cabeça. Isso têm sido muito estudado atualmente e estamos descobrindo que esse tipo de labirintopatia é mais comum do que imaginávamos. Os sintomas são bastante diversos de pessoa a pessoa. A vertigem pode aparecer antes, durante ou independente a uma crise de dor de cabeça.
As doenças acima citadas são as mais comuns que causam tonturas e vertigens, mas existem muitas mais. Até tumores cerebrais podem causar tonturas. Cada uma dessas doenças tem tratamentos que podem ser absolutamente diferentes entre si, nem todas devem ser tratadas apenas com Dramin ou Vertix. Veja então que é absolutamente inapropriado chamar tudo isso pelo mesmo nome, como se fosse uma doença só. O nome “labirintite” induz a erro e deve ser evitado. Se você sente tonturas ou vertigens, procure um médico otorrinolaringologista para saber exatamente qual é o seu problema e como tratá-lo da melhor forma.

Em caso de dúvida, consulte um especialista.

“As informações aqui colocadas são de caráter informativo. Cada paciente possui suas particularidades e deve ser avaliado e tratado de forma individualizada. Se você tem algum problema de saúde, procure um médico especialista.”

Dr. Henrique Gobbo
CRM – 117688 SP